Dúvidas

O que é retração de esmaltes?

A retração de esmaltes, uma ocorrência inerente ao processo de fabricação de telhas “semigres”, é um “enxugamento” do esmalte, ou seja, a peça está coberta pela camada vítrea porém se formou um relevo negativo.

É classificada como uma ocorrência estática, pois com o decorrer do tempo não haverá aumento ou diminuição, pois já no processo de queima, a mais de 1.080 °C, foi selada no forno.

Considerando a avaliação visual convencionada à 6,00 m de distância, não haverá prejuízo na questão estética do telhado.

Também não compromete o desempenho de impermeabilização, principal função das telhas, e também a questão estrutural da peça, mantendo os mesmos índices de resistência de telhas que não apresentam a ocorrência.

Encontrei algumas manchas na face superior das telhas, o que são?

Estas “manchas” nas telhas são decorrentes da aplicação do hidrofugante (impermeabilizante), cuja função é gerar uma película protetora para melhorar o desempenho e diminuir a absorção d’água, principalmente na face inferior da telha, basicamente para as etapas de armazenamento e instalação do produto.

Trata-se, portanto, de um aprimoramento técnico, não havendo necessidade de remoção na face esmaltada, que é 100% impermeável. Esta película sairá sozinha na face superior após instalação, com ação das chuvas e intempéries.

Identifiquei algumas ocorrências estéticas na telha e gostaria de saber se são normais?

A avaliação visual, conforme Norma ABNT NBR 15.310/2009, item 4.4 Características Visuais, descreve que as telhas podem:

“Apresentar ocorrências como esfoliações, quebras, lascados e rebarbas que não prejudiquem o seu desempenho, igualmente, são admissíveis eventuais riscos, escoriações e raspagens causadas por atrito feito nas telhas durante sua fabricação, embalagem, manutenção ou transporte.”

Uma maneira prática de validar esta questão é proceder na montagem de um painel no chão ou no próprio telhado, com pelo menos 2 fardos (14 peças) da telha, distanciar-se à 6,00 m (aproximadamente 6 passos “largos”) e seguir numa avaliação a olho nú. Sendo perceptível às ocorrências, recomendamos entrar em contato com o SAC e abrir uma Assistência Técnica para uma avaliação mais detalhada. Caso nada se perceba, continuar a instalação conforme Folheto Técnico.

Esclarecemos que, considerando a origem orgânica e natural da base das telhas (argila), há ocorrências normais que são aceitas pela Norma ABNT NBR 15.310/2009, uma vez que não comprometem a valorização estética do telhado.

Diferentemente de um produto sintético, cuja origem muitas vezes surge em laboratório, pequenas retrações de esmalte, ondulações e imperfeições são normais em qualquer telha desta tipologia “semigres”.

Recebi algumas peças trincadas e/ou quebradas. Como devo proceder?

É comum o recebimento de peças avariadas pelo transporte, infelizmente, em função das condições das estradas.

Quando do recebimento, registrar através de anotação no conhecimento de frete as avarias, identificando detalhadamente o produto e a quantidade. Adicionalmente recomendamos o registro fotográfico das peças danificadas, de maneira a evidenciar a situação.

Isso deve ser encaminhado ao revendedor e/ou representante que efetuou a negociação, de maneira que possamos avaliar o enquadramento na Política de Reposição da fábrica, ou orientar a comunicação com o transportador no caso de uma situação anormal, seja para reposição através do seguro da carga ou desconto no frete, considerando a venda FOB (frete por conta do cliente).

Caso a negociação tenha sido na modalidade CIF (frete por conta do fabricante), o representante encaminhará as informações para a indústria e esta retornará com a solução.

Preciso fixar todas as telhas do telhado?

A fixação das telhas só começa a ser necessária com inclinações superiores à 45%, acima do padrão “normal” de construção. A maioria dos telhados é projetada com inclinações que variam de 30 a 35%, quando não há necessidade de fixação e as telhas podem simplesmente ser assentadas sobre a ripa.

No caso de inclinações superiores à 45%, inicia-se a necessidade de fixação, conforme orientações abaixo:

  • De 45 a 90%, apenas 1 a cada 4 peças precisa ser travada;
  • De 91 a 100%, 2 a cada 4 peças precisam ser travadas;
  • Acima de 101%, todas as peças precisam ser tavadas.

Esta fixação pode ser de 3 maneiras, sendo a mais comum a furação das telhas (que já vem pré-furadas) e fixação com pregos/parafusos de vedação. A segunda opção seria utilizar os grampos de fixação, clipando as telhas no madeiramento sem a necessidade de furá-las. A terceira opção é utilizar um selante, a exemplo do PerkusFlex, e fazer a colagem das telhas nas ripas, sendo ideal para estruturas metálicas, porém sendo aplicável em qualquer estrutura, também sem a necessidade de furá-las.

Adicionalmente, orientamos sempre a fixação de beirais, de maneira a evitar que ventos fortes causem o encavalamento de peças no telhado.

Orientações complementares estão disponível em nosso Folheto Técnico, disponível na sessão de DOWNLOADS do site.