REDUZIR, REUTILIZAR E RECICLAR: O PRINCÍPIO DOS 3 R’S APLICADO À ARQUITETURA

Publicado em: 20.11.2020

Com o aumento dos níveis de emissão de poluentes ao longo dos anos, tem crescido também a preocupação sobre as ações que podem ser tomadas para minimizar os danos causados ao planeta. Como forma de promover a redução ou não-geração de resíduos, surge o princípio dos 3 R’s: reduzir, reutilizar e reciclar. Estas ações, unidas à adoção de padrões de consumo sustentável, têm sido promovidas como forma de proteger os recursos naturais e minimizar o desperdício.

O primeiro conceito dos 3 R’s, a “redução”, é bastante vasto e pode ser entendido como a redução no uso de materiais, mas também no consumo de energia, nos descartes e, sobretudo, na pegada ecológica. Na arquitetura, a redução pode ser traduzida, entre outras medidas, no uso de materiais não contaminantes, duráveis e recicláveis; no uso da pré-fabricação como forma de reduzir entulhos no canteiro de obras; e no uso do BIM para reduzir erros e desperdícios e otimizar processos projetuais e construtivos.

O “reuso” é o conceito que parte do princípio do reaproveitamento do material sem transformá-lo em um processo que empenhe energia. Na arquitetura, o reuso pode ser encontrado desde o reaproveitamento de materiais e elementos construtivos ao reuso de estruturas, como acontece por exemplo com o reuso adaptativo.

Por fim, a “reciclagem” requer a transformação do material antes da sua aplicação em um novo uso. Isto é, exige um processo industrial ou artesanal que empenha energia para que o material esteja apto a assumir novas formas e funções. A reciclagem é uma alternativa para materiais descartados que não se classificam para o reuso na forma em que são encontrados, além de muitas vezes apresentar um bom custo-benefício frente ao uso de materiais usuais.

Apresentamos a seguir 14 projetos ao redor do mundo onde pelo menos um dos conceitos dos 3 R’s é utilizado no projeto, na construção ou na vida útil do edifício.

Reduzir

Instituição de Educação Superior Aimerigues / Barceló Balanzó Arquitectes + Xavier Gracia

“Redução da pegada ecológica: uso de materiais não contaminantes, duráveis e facilmente recicláveis; uso de energias renováveis; sistemas de controle, gestão de resíduos e uso da tecnologia BIM no processo de projeto e construção. As salas de aula foram distribuídas no volume alinhado à rua Pablo Iglesias, formalizando um dos limites do centro sem gerar espaços residuais.”

Do território ao habitante / tactic-a. Imagem: © Jaime Navarro

“O piso e as paredes laterais são feitos com lógicas e materiais de construção tradicionais, enquanto os demais elementos são modulares que podem ser fabricados na oficina e apenas montados no local. Essa modularidade permite uma redução nos custos de fabricação e uma configuração de acordo com as necessidades e possibilidades da família que irá adquiri-la.”

Centro Comunitário da Vila Sen / Vo Trong Nghia Architects. Imagem: © Quang Tran

“A claraboia também funciona para criar o efeito chaminé permitindo a saída do ar quente pelo topo da cobertura através de uma brisa fresca oriunda da lagoa adjacente. Estes métodos projetuais passivos contribuem para a redução do consumo de energia e dispensa o uso de ar condicionado.”

Humanscapes Habitat – Moradias Urbanas / Auroville Design Consultant. Imagem: © Akshay Arora

“Com a utilização de materiais e técnicas locais de construção, as residências se tornam eficientes energeticamente, gerando sua própria energia e utilizando energias renováveis. Alguns itens determinantes do projeto são: zero desperdício de água, redução e reciclagem de resíduos sólidos, paisagismo com espécies endêmicas locais, e cultivo de alimentos orgânicos, um modelo para a agricultura urbana.” 

Reutilizar

Museu Histórico de Ningbo / Wang Shu, Amateur Architecture Studio. Imagem: © Iwan Baan

“A concepção do projeto se baseou na reutilização de pedras e tijolos artesanais de construções demolidas, produzindo uma impressionante mistura entre diversos tipos de tijolos, pedras e concreto. O estudo profundo sobre a arquitetura vernácula chinesa é outro tema determinante para sua consolidação.”

Pavilhão Circular / Encore Heureux Architects. © Cyrus Cornut

“O nome descreve o processo, que segue os princípios da economia circular, na qual os resíduos são convertidos nos recursos dos outros. Os resíduos foram tomados de outros edifícios, ordens errôneas ou estoques não utilizados: cada um dos materiais utilizados possui sua própria história. 180 portas de madeira, depositadas durante uma operação de reabilitação de habitações no distrito 19 de Paris, formam a fachada. No interior, o isolamento utiliza lã mineral do teto de um supermercado.”

Quiosque Third Wave / Tony Hobba Architects. Imagem: © Rory Gardiner

Com sustentabilidade e o reuso integral para o resultado final, as lâminas de estacas recicladas foram obtidas das enchentes Vitorianas de 2010/2011, onde foram usados por último para  os trabalhos de prevenção de inundação ao longo do Rio Murray para ajudar a mitigar os danos da água devastadora vivida pelas comunidades ribeirinhas locais durante este evento de chuva extrema.

Tijolo antigo, casa nova / Wrzeszcz Architekci. Imagem: © Przemyslaw Turlej

“A fachada foi revestida de tijolos do antigo celeiro. O material traz uma atmosfera especial. A fachada consiste em quatro tipos de conectores de tijolo com diferentes níveis de disposição e transparência. Os detalhes da fachada enfatizam as zonas da casa. Paredes de tijolos abertos permitem a visualização e elementos vazados para conectar com os arredores.” 

Maruhiro / Yusuke Seki. Imagem: © Takumi Ota

“Construído em 25.000 peças e em cooperação com numerosas fábricas de cerâmica da área Hasami, o foco conceitual e experimental do projeto é uma plataforma central empilhada feita por camadas de louças imperfeitas de origem local e concreto. Como parte de seu processo de projeto re-valorativo, Seki reviveu essas peças danificadas, usando-as para fazer tijolos e transformando-as em um novo material de arquitetura.”

Reciclar

Pavilhão do Povo / bureau SLA + Overtreders W. Imagem: © Filip Dujardin

“Este pavilhão é uma declaração da nova economia circular, uma edificação 100% cíclica onde nenhum material de construção foi desperdiçado na construção. A fachada superior do Pavilhão consistia em telhas de plástico coloridas, feitas de lixo doméstico (plástico reciclado), coletadas em grande parte pelos habitantes de Eindhoven.”

Hanil Visitors Center & Guest House / BCHO Architects. Imagem: © Yong Gwan Kim

“O concreto foi triturado e reformulado em vários materiais, criando telhas tanto translúcidas quanto opacas. A parede de gabião e concreto moldado em forma de tecido, que constituem as fachadas principais do edifício, foram erguidos antes, e o concreto restante foi reciclado nas gaiolas de gabião, no telhado para isolamento do sol, e como material paisagístico na rua e ao redor da fábrica.”

Residência na Prosperina / Fabrica Nativa Arquitectura. Cortesia de Fabrica Nativa Arquitectura

“As paredes, frontal e lateral, foram completadas com chapas translúcidas de policarbonato reciclado, aproveitando a luz natural no dia e fazendo com que durante a noite a iluminação interior fosse projetada para fora.”

Plataforma de Mergulho ICEBERG / Bulot+Collins. Imagem: Cortesia de Bulot+Collins

“A estrutura é coberta com painéis de madeira compensada (toda a madeira foi obtida localmente) nos quais são fixadas várias centenas de peças de plástico termocrômico. Essas peças foram fabricadas no local pelos campistas, de acordo com um processo inovador desenvolvido exclusivamente pela equipe de projeto. O plástico é o polietileno reciclado de alta densidade que foi derretido e moldado em formas triangulares e coberto com uma mistura de resina e pigmento termocrômico.”

Pavilhão dos Resíduos / Cloud-floor. Imagem: © Ketsiree Wongwan

“O pavilhão de seis metros de altura foi especificamente projetado com tijolos de plástico reciclado e telas de náilon. Cada componente arquitetônico está sendo pensado em termos de design de produto: a escala e a proporção de cada elemento são derivadas dos produtos aos quais se destinarão após o evento. Após a semana de design, os tijolos e as telas serão desmontados e transformados em mais de 2500 cadeiras e 1.500 sacolas.”

Por  Susanna Moreira

Matéria adaptada do portal: https://www.archdaily.com.br/

Para ler a matéria na íntegra acesse: https://www.archdaily.com.br/br/944548/reduzir-reutilizar-e-reciclar-o-principio-dos-3-rs-aplicado-a-arquitetura